02
Ago 09

 

Li “A menina que roubava livros”, de um jovem escritor australiano, Markus Zusak. Embora eu seja uma leitora ávida de livros, confesso que poucos me emocionaram tanto como esse. Bonita, sensível, inteligente, a história é envolvente. O autor fala da amizade, do amor, da compaixão, sentimentos que envolvem famílias, vizinhos, amigos, naquele difícil ano de 1943. É a guerra, o nazismo. E a palavra é a ferramenta de convencimento para aqueles que viveram os acontecimentos da época. Mas é a palavra também que dá o alento para uma jovem de 12 anos, através dos livros que ela rouba, para compreender a sua existência. O narrador é a Morte.Um ser acima do bem e do mal, alguém que faz o seu serviço: buscar as almas. Porém, a Morte que gosta de observar as cores do mundo, não consegue deixar de notar a menina que roubava livros. Ao fugir de um bombardeio, a menina que roubava livros, preocupa-se em salvar o acordeom do papai e, esquece o livro, com folhas em branco, que ganhou para escrever a sua história. Perdido na rua, o livro seria jogado no lixo. Porém, a Morte o salva de ser destinado ao esquecimento. Ela o lê, guarda-o durante anos até encontrar de novo a menina que roubava livros e poder devolvê-lo. A Morte é a narradora da história. E são suas as palavras abaixo:
“OS SERES HUMANOS ME ASSOMBRAM”.
publicado por encontromarcado às 15:05

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21

25
26
27
28

30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO